pilloleitalia.net più alta qualità pillole

CINEMA

Jurassic World: o melhor filme horrível que você vai ver esse ano

Por Gabriela Negro

Se você, como eu, cresceu amando Jurassic Park e não tem vergonha de admitir que se divertiu com as continuações, você também provavelmente esperou 22 pra poder gritar que FINALMENTE O PARQUE ESTÁ ABERTO em “Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros” (Jurassic World – 2015)!!! E, convenhamos, bonito o parque é…

 

 

Como poderia se esperar da continuação de um filme que revolucionou a computação gráfica, os efeitos visuais são muito bons. Tudo é maior, mais bonito… mas não necessariamente mais perigoso. Jurassic World vem numa belíssima embalagem e possui uma ou outra ótima cena de ação, mas o resultado talvez seja decepcionante. Assistir aos filmes da série, como sempre, é uma ótima experiência, mas enquanto as demais continuações são fracas se comparadas com o primeiro, os problemas do último são culpa dele mesmo.

 

 

Ver o filme no cinema é divertido – em certos momentos, MUITO DIVERTIDO MESMO – mas em nenhum ponto o longa tenta te convencer de que ele não é ruim. Sem grandes explicações, o parque que se provou como uma ideia terrível no primeiro episódio e que seguiu abandonado em suas continuações, ressurge das cinzas como uma disneilândia hi-tech-jurássica em pleno funcionamento na mesma ilha onde inexplicavelmente jazem as ruínas do empreendimento anterior.

O plot, que não faz o menor sentido e nem tenta explicar-se, começa várias sub-tramas não resolvidas e soa ainda mais gratuito quando a situação escala até o aguardado desastre e então percebemos que, por mais que agora a ilha esteja habitada por mais de 20 mil possíveis vítimas, não damos a mínima para quase ninguém que está em cena. E é aí que sentimos mais a falta de Spielberg.

 

 

Não bastasse a incapacidade de provocar deslumbramento (prejudicada – e muito – pela sensível falta da orquestração magistral de John Williams, cujo tema é repetido ora de forma eficiente, ora desastrosa), a nova direção se mostra completamente alheia ao fato de que num filme “família” de aventura, é essencial que os personagens tenham carisma.

A mensagem de veneração e respeito à natureza também não existe mais. Os raptores são apenas mean girls (de lealdade duvidosa) chefiadas por Chris Pratt e o único mérito do filme talvez seja mostrar que as crianças de hoje são tão blasé que sequer se dão ao trabalho de desligar o celular para contemplar os dinossauros. A técnica agora reina como soberana e a tecnologia precisa inventar novos mutantes para que a vida mereça o mínimo de atenção.

As promessas de maior diversão com o parque aberto são logo esquecidas por uma ação que fica restrita a poucos personagens principais, como sempre foi, e o episódio perde a oportunidade de trazer novidade para a franquia. Sem parar para contemplar as criaturas que um dia dominaram a Terra, o filme no geral parece mais ser de kaiju do que sobre dinossauros propriamente ditos.

As constantes homenagens ao clássico (e a outros filmes de Spielberg) de início trazem certa nostalgia, mas acabam sendo melancólicas pois nos fazem lembrar de todos os elementos que faltam nesse episódio: aventura, encanto e, principalmente, carinho.

 

 

 

 

 

 

 

 





2015

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho

2014

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Dezembro

2013

Janeiro
Fevereiro
Março
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

2012

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

2011

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

'Cada Um Tem a Gêmea Que Merece' venceu todas as 10 categorias do Framboesa de Ouro

Longa de Adam Sandler conseguiu ser o pior em todas as categorias

‘Xingu’ levanta discussão sobre preservação do meio ambiente

Novo filme de Cao Hamburguer retrata luta dos irmãos Villas Boas contra erradicação dos povos indígenas

'John Carter – Entre Dois Mundos´é uma típica película de Sessão da Tarde

Muita gente tem dito que o longa é uma cópia de Avatar

Jennifer Lawrence garante o sucesso de 'Jogos Vorazes' em poucos minutos da trama

Diferente da protagonista de Crepúsculo, a sem graça Bella Swan, Katniss Everdeen é determinada, forte e tem diversas habilidades

'A Separação' é recheado de fortes emoções, questionamento de valores e surpresas

Longa venceu todos os prêmios possíveis como melhor filme estrangeiro graças a um ótimo roteiro

'O Abrigo' possui uma narrativa bem construída que aprofunda as relações entre os personagens

Jeff Nichols imprime um ritmo lento para esse thriller psicológico independente

'Carnage' é uma crítica à sociedade norte-americana que faz com que o público ria de si mesmo

Polanski imprime uma identidade própria ao filme através de tons mais urbanos e realistas

'O Preço do Amanhã' apresenta um futuro em que a moeda é o tempo

Idéia do longa remete aos contos de Phillip K. Dick

Sete Dias com Marilyn é mais um filme que aborda o cinema do passado

Além dos elogios a Michelle Williams e suas caras e bocas idênticas à Marilyn, o elenco de apoio também é excepcional

Fox lança box comemorativo de Marilyn Monroe

Fãs podem optar pelo box com treze títulos ou por volumes separados da Coleção Diamante, com sete títulos cada




Política de Privacidade | Sobre | Anuncie | Contato | Copyright © 2015 culture-se - Todos os Direitos Reservados.